quinta-feira, 27 de abril de 2017

A ver se nos entendemos

1. O meu post de ontem – em que defendo que algumas raças de cães (deixo aos entendidos quais deverão ser) não podem ser admitidas como animais domésticos e de estimação pelo genético potencial violento – gerou imensos comentários de discordância (ver aqui). Não é pela discordância que regresso ao tema. É mesmo por achar que vai por aí uma enorme confusão. E porque – terei de o dizer – não apreciei especialmente o tom adoptado por alguns dos meus amigos.
2. Não confundam: eu não estou a fazer nenhuma crítica aos cães (não lhes posso conceder, em substituição da natureza, essa capacidade de imputação de culpa), estou simplesmente a socorrer-me de um dado da natureza (o seu reconhecido potencial de instinto violento) que, do meu ponto de vista, e demonstradamente, recomenda a dita proibição.
3. O argumento mais usado pelos que discordam de mim é muito baseado na ideia de que os animais (estes cães de determinadas raças) não são naturalmente violentos, emanando essa violência (quando revelada) dos seus donos e da «educação» que estes lhes destinam. No fundo, o argumento é o de que só haverá cães violentos se os donos forem violentos ou os instigarem à violência. Este argumento, de tantas vezes contrariado na prática, custa-me ter de enfrentar. O Afonso Botelho Vieira até teve o cuidado de dar o seu testemunho pessoal, relatando o episódio de violência que viveu com um dos seus cães, ao qual havia dedicado o mesmo carinho e educação que a outros cães de que era proprietário e com os quais não teve qualquer problema semelhante. Ora bem, os meus amigos estão a sugerir que o ataque de que o Afonso foi vítima se ficou a dever à violência do próprio Afonso? Não admitem que possa não ter essa origem e que o seu cão, num impulso natural de instinto, se lançou num violento ataque sem explicação? Ou por outra, não admitem a hipótese da explicação estar na natureza do próprio cão (essa sim, eu não discuto e, por isso, recomendo que se actue em conformidade)?
4. Eu, em certa medida, antecipei que não resistissem à comparação entre os homens e os animais (retoricamente, sugeri que me poupassem à típica frase feita). Lamento não ter sido atendido. Mas lamento mais que insistam na comparação. A dignidade do Homem, por muito desprezível que este seja, não permite esse nivelamento em que os meus amigos embarcam. Não faz qualquer sentido (e não quero ser paternalista ao ponto de explicar porquê). Mas, curiosamente, os que se lançam no exercício de comparação com os homens são, por regra, os que me lançam a crítica por querer comparar os cães de raça violenta com alguns animais selvagens. Mas eu esclareço: eu não disse que são animais selvagens (calculo que usem a expressão em sentido técnico). Sugeri – ou afirmei – que comungam de muitas das características desses animais violentos. O que está demonstrado. E, por muito que queiram ignorar, essa violência é, frequentemente, independente dos donos (que, como os meus amigos, podem ser umas jóias de pessoas) e, obviamente, é independente da culpa que os animais não têm porque não podem ter.
5. Eu não levo a mal algumas das acusações que me fizeram. Conheço os seus autores e sei da sua boa fé, recta intenção e, portanto, não atendo ao sentido literal de algumas das palavras que escolheram. Mas dispenso – não o deixo de dizer – que me acusem de egoísta, de baixar o nível para o gajo de bairro (até pode ser elogioso, depende do bairro). Primeiro porque não são bem argumentos. E depois porque não é verdade. Egoísta? Mas egoísta porquê? Baixar o nível? Como assim?

#Saladeestar

quarta-feira, 26 de abril de 2017

É da natureza

Eu se quisesse ter em casa e até passear na rua com um tigre ou um leão não podia. Pouco adiantaria argumentar que aquele animal, em concreto, não tinha qualquer episódio de violência, era dócil com todos e que estava muito bem domado. Fosse com ou sem trela. Com ou sem açaime. Não podia, e muito bem!
Há raças de cães que são autênticos leões ou tigres em potência. Por muito doces que nos pareçam. Por muito bem domados que estejam. Por nenhuns episódios de violência que tenham registado. E como é assim – é da natureza! – deviam ser proibidos como animais domésticos e de estimação. Ponto.
Nem percebo as hesitações, os argumentos e o latim com justificações, até porque não tem nada a ver com a defesa dos animais (eu que acho o tigre um belo animal e uma espécie que deve ser protegida).
PS.1. Um cão de raça com potencial reconhecidamente violento, por acção directa, atacou uma criança de 4 anos deixando-a às portas da morte. As autoridades colocaram o animal na dita «quarentena». Se fosse com o vosso filho de 4 anos (façam o exercício) ...
PS. 2. Poupem-me à frase feita de que há homens que são piores que muitos animais. Não é bem um argumento. A sério.

#Saladeestar

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Parecidos

A não declaração de apoio do candidato do Bloco e do Podemos francês - o senhor Melanchon - a qualquer dos candidatos que passaram à segunda volta é todo um eloquente programa.
Reparem no argumento. Quer ouvir os seus apoiantes. Entre Le Pen e Macron, ele bem sabe que não é nada óbvio quem os seus apoiantes preferem.
Tão queridos e tão parecidos. Lá como cá.

#Escritório

Olhos em Macron

Macron não é propriamente alguém que surge de fora do sistema. Tem história bastante de gabinetes e, sobretudo, de governo (há pouco tempo ainda era ministro da economia). A sua ascensão, todavia, deixa-nos algumas sugestões (pelo menos sugestões) e, não o escondo, preocupações (talvez a palavra mais justa seja ansiedades).
A primeira sugestão é a de que as democracias - mesmo as mais consolidadas e relevantes - estão disponíveis para a "bofetada" no sistema tradicional. Não fecham a porta a uma personalidade que surja sem entourage partidária, que desafie os inevitáveis directórios. Por muitos acasos que se tenham conjugado, não deixa de ser impressionante o percurso de Macron. E mais que impressionante, diria que pode ser inspirador.
A segunda sugestão é a da renovação. Não resisto ao sinal da idade. Por muito que insistam, alguém com 39 anos não é obviamente um jovem (em condições normais, é alguém com mais de 15 anos de vida profissional!). Mas em França como em tantos outros países, parecíamos reféns de personagens que nos entram pela casa adentro há mais de 20 anos!
Outra sugestão - talvez a que me saiba melhor registar - é a de que a façanha de Macron não se fica a dever a impulsos primários e populistas. Não permite os lugares comuns "cartão amarelo à Europa", ou "depois do Brexit e de Trump, agora é a vez de França". Fomos poupados a essa narrativa que só confunde.
Do lado das ansiedades está esta sensação de que Macron é, de facto, do sistema e que não transporta essa mudança ou essa nova interpretação do sentimento das pessoas. Fico, aliás, com a sensação de que erra no diagnóstico e que insiste nas receitas que afastam os políticos das pessoas (é desconcertante o jogo de propostas, que vai da redução de funcionários públicos, à redução da tributação das empresas e do peso das contribuições sociais, conjugado com mais investimento público, mais polícias - funcionários públicos... - e lugares nas prisões, incluindo a estafada agenda liberal em matéria de costumes). Posso ser eu, mas não encontro a novidade. E não encontro essa adesão às pessoas que se afastaram e que urge resgatar.
A outra ansiedade - que é uma derivada da anterior, e ao mesmo tempo a que mais me preocupa - é a de que Macron é o que for preciso ser. Não haverá por ali doutrina, convicção ou projecto que possamos antecipar. Posso estar errado, mas o movimento "en marche" é ainda um conjunto inconsistente de pessoas. E em tais circunstâncias, a distância para a desilusão é tendencialmente curta.

#Escritório

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Pobres pais

Os meus filhos cumprem o plano de vacinas? Cumprem, mas não posso garantir que o tenham cumprido (ou venham a cumprir) no estrito rigor dos prazos estabelecidos (às tantas a vacina dos 3 meses tomaram aos 4, e a dos 5 anos tomaram já com 6).
Sou irrepreensível no cumprimento dos deveres de zelo para com os meus filhos? Não sou. Claro que não sou. Quantas vezes desprezei o cinto de segurança bem colocado, ou falei ao telemóvel a conduzir, ou me esqueci por momentos de pôr as braçadeiras na praia. E já nem falo das minhas manias (todos temos as nossas e algumas não serão assim tão recomendáveis).
Não procuro esta imperfeição, muito menos dela me orgulho e obviamente que tento evitá-la. A verdade é que são muitas as vezes em que não faço as coisas assim tão bem. E tenho tido sorte. Muita sorte.
Não sou um pai perfeito. Claro que não sou anti-vacinas. E não tenho, felizmente, nenhuma desgraça para contar.
Imagino-me na pele daqueles pais que, como eu, falharam (não necessariamente nas mesmas coisas) mas que não tiveram aquela sorte que me tem assistido. Imagino a dor inacreditável e inultrapassável por que estarão a passar.
E recuso-me a fazer juízos morais (é isso mesmo, não atiro a primeira pedra). Nem que seja por compaixão – já seria uma boa razão. Mas é mais por saber que podia ser eu. Não seriam as vacinas. Seria outro dever qualquer que não cumpro nesta minha imperfeição.
Não paro de pensar nos pobres pais daquela miúda que hoje lhes partiu.
PS. Não sei o que é uma sociedade machista. Mas o exercício público e publicado a respeito da notícia do dia serve bem para ilustrar. «Mãe é anti-vacinas», «mãe não vacinou a filha desde os dois meses», «mãe isto, mãe aquilo». E o pai? A menina não tinha pai? Foi só a mãe que falhou?

#Saladeestar

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Nevoeiro

Qual renda que esconde
Qual manto de mistério
Qual fumo que responde
Qual vento frio e sério

Qual aragem da manhã
Qual frescura já gasta
Qual disfarce de afã
Qual imagem que basta

Qual cor sem cor
Qual amor por inteiro
Qual mulher sem flor
Qual é a tua, nevoeiro?

#Biblioteca

Allez

Não somos especialmente letrados em política internacional (com política internacional pretendo referir-me às diversas realidades nacionais de muitos dos Países que nos vão interessando).
Conhecemos pouco – mesmo muito pouco – da realidade e das idiossincrasias (fica bem dizer idiossincrasias) dos Estados Unidos mas poucos de nós resistiram ao comentário de cátedra sobre o duelo Trump / Hillary. Não fazíamos ideia sobre o significado da queda da Dilma e sobre a história do seu sucessor, mas não nos doeram os dedos na hora de postar uma opinião. Dos referendos que grassam (ou desgraçam) por essa Europa – do já longínquo Grego, passando pelos incontornáveis britânicos – o da Escócia e o do Brexit –, olhando ainda ao Italiano, e terminando no Turco deste fim de semana – pouco sabemos para lá dos lugares comuns, mas não hesitamos em tomar partido e a ensaiar umas ilações de inteligência e pertinência duvidosas.

Agora estamos com os olhos em França, de onde nos lançam 4 propostas a evitar (dizem). A Marine Le Pen da extrema direita (cruzes credo!). O Mélonchon da extrema esquerda (vá de retro!). O Fillon, retrógrado e a acumular escândalos (ai de quem o defender!). E o Macron, que dá mau nome à esquerda ou ao centro porque é pelo sistema (sistema em sentido pejorativo, como é óbvio). Está bom de ver que não é fácil. Eu, que há muitos anos que me especializei em lugares comuns (não me estou a pôr de fora, estão a ver?) já só me movo pelo elementar. E o elementar – convém lembrá-lo – ainda é a preservação deste espaço de paz, de integração, de democracia e de liberdade, que é a Europa sob o «jugo» da União Europeia. Sei bem que é démodé, mas ainda sou europeísta convicto, daqueles que olha com admiração e inspiração para um Adenauer, um De Gasperi ou um Schuman (sim, continuo a achar que eles é que estavam certos).

Sobram ideias, promessas e percursos não recomendáveis de todos os candidatos. Muito especialmente dos dois extremos (tocam-se sempre, mais um lugar comum). Mas talvez ficássemos menos mal com um dos dois do meio. Fillon. Ou Macron. Allez (ou lá como se diz em França).

#Escritório